AdBlock Detected

Parece que você está usando um bloqueador de anúncios!

Por favor. Contribua com nosso trabalho desativando o bloqueio de anúncios. Obrigado!

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Dicas de Desenvolvimento Pessoal, Relacionamento Afetivo e Frases Motivacionais

7 Hábitos para Colocar na rotina e Julgar Menos as Pessoas

Julgamento: Ele só Mostra Apenas a Metade da Realidade




Antes de falarmos os 7 hábitos, você sabia que o julgamento mostra apenas a metade da realidade?

Ninguém pode julgar, por que o julgamento tem como base uma realidade parcial, numa verdade que só é pela metade, pois, é apenas isto que ele oferece.

A humanidade precisa entender que o julgamento é uma opinião baseada na ignorância e na dúvida.

A sua certeza não passa de um disfarce para a incerteza que quer ocultar a realidade, enfim, o julgamento é uma defesa irracional, por que ela é irracional.

O Julgamento Mostra a Metade da Realidade Devido a Interpretação

O seu julgamento parece ser forte e convincente, por que você acredita naquela interpretação da realidade do julgamento, fielmente. Você não tem dúvidas! É aquilo e pronto! Nada tira da sua cabeça aquela conclusão.

E assim você não duvida do mundo que vê, mas deveria pensar! Não questiona o que é realmente mostrado através dos olhos do corpo.

Aliás, você não percebe que há muito tempo os teus sentidos te enganam? O problema é que os teus olhos e teus sentidos te ilude desde quando você nasceu.

Como você julga o mundo? Através do testemunho que os seus sentidos oferecem e que as suas sombras interpretam,

mas você não tem ideia do quanto você é enganado por eles! E que, infelizmente, deposita uma fé patética no que os olhos e ouvidos reportam.

Eu quero dizer que os julgamentos do teu ego são todos falsos, é ele que guia os teus sentidos para provar o quanto você é fraco, indefeso e amedrontado.

O quanto vive apreensivo com a punição justa, o quanto é difamado pelo pecado e miserável na tua culpa.

E a culpa é uma manipulação do ego, mas não dê ouvido a ele! Os testemunhos que ele te envia para te provar que o mal que está nele é teu, mas são falsos e falam com certeza de algo que não conhecem.

Por isto que o teu julgamento só mostra a metade da realidade, pois a fé que você tem na voz do ego é cega.

Leia também

Ego: Aprenda isto e pare de fazer escolhas erradas

Duvide do Julgamento do Ego

Você tem que aprender a duvidar que a evidência que o ego te trás, assim desobstruirá o caminho para que apenas a voz de Deus seja o juiz do que é digno da sua própria crença.

A voz de Deus não julgará pelo que teus olhos contemplam, nem pelo que a boca do corpo do teu irmão diz aos teus ouvidos.

A voz de Deus dentro de você removerá toda a fé que tem depositado na dor, no desastre, no sofrimento e na perda.

Ele te dá a visão que pode olhar para o que está além dessas sombrias aparências e contemplar a gentil face de cristo em todas elas.

E a face de Deus reinterpretará tudo o que vê, está além do corpo e do mundo, depois de todo testemunho do profano, a tua voz não quer te falar de nada, exceto do teu ser e do teu criador, que é um com ele. E assim, verás a  cristo em tudo.

Assim, purificará seus pensamentos, ficará limpa e a felicidade que é a vontade de Deus para o seu filho, como prova

eterna do seu eterno amor reaparecerá, pois cada pensamento é transformado, pois o que permanece em Deus é unificado num pensamento perfeito que oferece a sua perfeição em toda parte.

Enfim, não acredite no julgamento do ego, mas na voz de Deus. Só a voz dele é a salvação, pois a verdade não tem ilusões, então, só assim terás uma chance de ser feliz, apenas assim terá a paz de Deus.

Um Curso em Milagres

Por que Julgamos as Pessoas?

Julgamos as pessoas por várias razões, algumas das quais podem incluir:

1- Instinto de autoproteção:

É uma reação natural e instintiva julgar alguém para avaliar se é seguro ou confiável. Isso remonta aos tempos primitivos, quando a sobrevivência estava em jogo.

2- Necessidade de pertencer:

Fazemos julgamentos para determinar se uma pessoa se encaixa em nosso grupo social ou se é diferente de nós. Isso vem de nosso desejo de pertencer e de criar laços com pessoas semelhantes.

3- Influência cultural e social:

Nossas crenças e ideias são moldadas por nossa cultura e sociedade. Portanto, tendemos a julgar as pessoas com base em normas e valores socialmente aceitos ou amplamente difundidos.

4- Aspectos pessoais:

Nossos próprios preconceitos, estereótipos e experiências pessoais podem influenciar em nossas opiniões sobre os outros. Isso pode resultar em julgamentos injustos ou pré-concebidos.

5- Medo do desconhecido:

Muitas vezes, julgamos as pessoas que são diferentes de nós ou que possuem características que não compreendemos totalmente. O medo do desconhecido pode levar ao julgamento rápido sem tentar entender melhor a situação ou a pessoa.

Em última análise, o julgamento faz parte da natureza humana, mas é importante reconhecer nossos preconceitos e estereótipos para evitar fazer julgamentos injustos.

É importante lembrar que cada indivíduo é único e complexo, e não devemos generalizar ou categorizar as pessoas com base em suposições superficiais.




Quem Julga as Pessoas Não tem Tempo pra amar?

Essa frase traz uma reflexão profunda sobre a capacidade humana de amar.

Quando alguém se dedica a julgar constantemente os outros, fica preso em um ciclo de análises, críticas e comparações que ocupam todo o seu tempo e energia.

Esse indivíduo se distancia da possibilidade de experimentar e vivenciar o amor de maneira plena e genuína.

Julgar os outros implica em estabelecer padrões e expectativas sobre como as pessoas deveriam se comportar ou ser, baseados em nossas próprias crenças e valores pessoais.

Isso nos coloca em uma posição de superioridade, impedindo-nos de enxergar as qualidades e singularidades daqueles ao nosso redor.

O amor verdadeiro demanda empatia, aceitação e compreensão. Envolve olhar além das aparências, dos erros e das imperfeições alheias, buscando conectar-se com a essência de cada indivíduo.

Porém, essa conexão só é possível quando liberamos o peso do julgamento e abrimos espaço para a compaixão e a bondade.

Portanto, a frase nos convida a refletir sobre a importância de direcionarmos nosso tempo e energia para cultivar o amor em nossas vidas, abandonando a necessidade de julgar os outros.

Ao fazê-lo, abrimos a porta para relacionamentos mais profundos e satisfatórios, nos permitindo experimentar a alegria e a plenitude que o amor genuíno pode proporcionar.

Como Fazer um Bom Julgamento?

Fazer um bom julgamento envolve seguir um processo lógico e basear-se em informações relevantes e precisas. Aqui estão algumas dicas para fazer um bom julgamento:

1- Coletar informações:

Reúna todas as informações relevantes e necessárias sobre a situação ou problema em questão, pois, isso pode incluir dados, fatos, opiniões de especialistas e experiências passadas.

2- Analisar as informações:

Explore e examine cuidadosamente todas as informações coletadas. Pondere sobre a fonte das informações, sua credibilidade e sua relevância para o problema em questão.

3- Considerar diferentes perspectivas:

Considere diferentes pontos de vista e opiniões sobre o assunto. Tente entender as razões por trás de cada perspectiva e pense em como elas podem influenciar seu julgamento.

4- Avaliar a lógica:

Avalie a lógica e a consistência das informações e argumentos apresentados.

Certifique-se de que as conclusões sejam sustentadas pelas evidências coletadas e que não haja falhas lógicas ou vieses nas informações apresentadas.

5- Considerar consequências:

Pense nas possíveis consequências de suas decisões e julgamentos e considere os impactos tanto a curto quanto a longo prazo e tente antecipar quaisquer resultados negativos ou positivos que possam surgir.

6- Evitar preconceitos:

Esteja consciente de seus próprios preconceitos e tendências cognitivas. Tente se afastar de preconceitos pessoais e emocionais ao avaliar as informações e tome decisões baseadas em fatos e raciocínio lógico.

7- Pedir opiniões e feedback:

Não tenha medo de procurar opiniões e feedback de outras pessoas. Discuta o assunto com pessoas confiáveis ​​e experientes, que possam oferecer insights valiosos e diferentes perspectivas.

8- Tomar tempo para refletir:

Não tome decisões precipitadas e tome o tempo necessário para avaliar todas as informações e considerar cuidadosamente as possibilidades antes de chegar a um julgamento final.

Lembre-se de que fazer um bom julgamento é um processo contínuo e que nem sempre é possível ter todas as informações ou prever todas as consequências.

No entanto, seguindo essas diretrizes, você estará mais preparado para tomar decisões informadas e bem fundamentadas.

 7 Hábitos para Colocar na Rotina e Julgar Menos as Pessoas

1- Praticar a empatia:

Colocar-se no lugar do outro e tentar compreender suas motivações e experiências antes de julgar.

2- Ser tolerante:

Reconhecer que todos possuem crenças, valores e perspectivas diferentes e respeitar essas diferenças sem fazer juízos de valor precipitados.

3- Evitar generalizações:

Cada pessoa é única e tem suas próprias circunstâncias de vida, pois, evite generalizações baseadas em estereótipos ou preconceitos.

4- Pensar antes de falar:

Antes de emitir uma opinião ou fazer um comentário, reflita sobre a relevância e o impacto que isso pode ter na vida da pessoa em questão.

5- Buscar informações:

Muitas vezes, julgamos as pessoas com base em suposições e falta de conhecimento.

Procurar se informar melhor sobre determinado assunto ou situação antes de tirar conclusões precipitadas é uma forma de evitar julgamentos injustos.

6- Cultivar a gratidão:

Reconhecer as qualidades e conquistas das pessoas ao nosso redor, em vez de focar apenas em suas falhas ou erros, pois, praticar a gratidão pode ajudar a reduzir o impulso de julgar negativamente.

7- Cultivar a autocrítica:

Reconhecer nossos próprios preconceitos e tendências a julgar e esforçar-se para corrigir esses comportamentos, em suma, ao buscar melhorar a si mesmo, é mais fácil evitar julgamentos desnecessários sobre os outros.

Picture of Walmei Junior

Walmei Junior

Sou Administrador de Empresa, Pós Graduado em recursos Humanos (MBA). Além de ser Coach, Palestrante, Practitinoer em Programação Neurolinguística, Hipnólogo e apaixonado pela mente humana e auto conhecimento.

Comente o que achou:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

---------------Veja mais---------------

PARA MAIORES INFORMAÇÕES CLIQUE NAS FIGURAS ABAIXO PRA COMPRAR.