Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Entrevista com a Grande Terapeuta Anna Sharp

Entrevista com a Grande Terapeuta Anna Sharp




Terapeuta: Entrevista com a Grande Anna Sharp Numa Live

Como explicar que a pandemia tem LUZ?

Nós estamos no universo em expansão, segundo os astrônomos, e expansão é crescimento, então, nós estamos crescendo.

Se esta pandemia tem, aparentemente, trouxe muita coisa ruim, na realidade é totalmente positiva, deu um tempo e paramos pra repensar nossas vidas e valores para que possamos mudar. Crescimento é caminhar na luz.

Terapeuta: Entrevista com a Grande Anna Sharp Numa Live
terapeuta

Por que existe a força do mal?

O mal não existe, existe a sombra, o mal uso da sombra com objetivos errados e ilusão, por que se a sub particula contém o TODO, o que é o todo?

O todo é Deus! São todas as possibilidades, mas nós dividimos em bem e mal. Mas o todo é criação, só que temos o lado sombra que é o lado que não sabemos usar.

Tem um lado nosso que é ignorante, inconsciente, que só quer poder, é o lado do ego, não é o lado do SER. O ego quer o que? Ele quer muito poder e assim usa a agressão e uso o outro para subir a escada.




Terapeuta Anna Sharp, o inimigo não é o outro?

O que é o outro? O outro é o nosso espelho, então, se atritamos com o outro é por que estamos em atrito com nós mesmos, o outro sendo espelho mostra qual erro que você está cometendo.

Isso é outra coisa que a ciência comprovou. Nós só projetamos! Só projeto no outro coisas que na realidade estão no meu subconsciente, então, eu culpo o outro e depois nos decepcionamos.

Por que isto acontece?
Por que eu coloquei no outro o meu desejo.

No mundo infinito a vida é eterna, mas na sua opinião por que sentimos tanto medo da morte, perda ou fracasso?

Por que acreditamos que o CORPO é REAL Se estudarmos um pouco de física vemos que o corpo é um conjunto de células, átomos, moléculas, se sou esse conjunto, então o ser humano é uma reunião de sub partículas atômicas, então, qual é a menor sub partícula? É o fóton! Foton é luz! sou carne e osso ou luz?

Terapeuta: Entrevista com a Grande Anna Sharp Numa Live
terapeuta anna sharp

Terapeuta Anna Sharp: Como fazer as mudanças no plano da nossa consciência?

Sempre quando você está sendo agressiva com alguém, você está com medo. Se alguém provou sua agressividade é por que você está com medo. Na hora que você está com este espaço de defesa, você está com medo.

O medo da morte, de perder o emprego, É A CULPA. Por que a CULPA que provoca os MEDOS, aí você não tem MEDO.

Ação e reação é inevitável, emitiu uma onda ela volta. A onda expande e contrai, ou seja: Você mandou, vai voltar. A hora que contrai, o outro vem trazer a nossa onda de volta e a nossa tendência é culpá-lo.

Existe um propósito por trás de um ataque. Que é o espelhamento! o outro mostra quem somos. Mas atenção: se algo negativo aconteceu com você

Já o esforço : Se esforce pra ver lá atrás onde você fez alguma coisa e responsabilidade e seja responsável pelo que você está projetando na sua vida.

Terapeuta Anna Sharp, como atrair a abundância?

A abundancia é um estado natural, quando não está acontecendo é que existe alguma crença que está impedindo a vinda.

Por que tudo é abundante no nosso planeta, então, a abundância é natural, é a lei do planeta, já que a escassez não existe.

Texto da Terapeuta Anna Sharp: Quem sou Eu?

Terapeuta: Entrevista com a Grande Anna Sharp Numa Live
terapeuta

Essa é uma pergunta que, quando formulada, faz com que enganosamente nos respondamos baseados em impressões muitas vezes projetadas, ou fruto de julgamentos superficiais de outros sobre nós.

Influenciados, acatamos essas opiniões sem questionar, satisfeitos ou não, e atuando inconscientemente de forma a confirmá-las.

Vejo a personalidade sendo formada pelos acontecimentos experienciados, pelos conceitos emitidos sobre nós durante a infância (por amigos, professores, familiares e, principalmente, pais), sendo absorvidos como verdades absolutas.

Conceitos esses, muitas vezes contraditórios, desabonadores ou apenas frutos de expectativas sobre nossa atuação; outros ainda, mal interpretados pela cabecinha infantil.

Em determinado momento olhamos para essa colcha de retalhos e vemos, envergonhados, um reflexo desfigurado: “Sou assim…”

A Necessidade de Ser Aceito

A necessidade de ser aceito e amado nos obriga a um artifício para esconder do mundo as feições disformes. Criamos uma ou várias máscaras, imitações de modelos idealizados, que nos habilitem ao convívio social, obtendo uma relativa aceitação.

A necessidade e o esforço em construir as defesas para esconder as características que introjetamos e das quais nos culpamos geram um nível de tensão e culpa insuportáveis.

O medo de sermos descobertos nessa mentira profunda produz a fuga do contato consigo mesmo, numa tentativa de esquecer e escapar da visão assustadora voltamos nossa atenção apenas para as ofertas do mundo exterior, ao qual nos apresentamos com o “falso eu” e nos esquecemos de nós mesmos.

E vamos nos limitando…Esse pseudo esquecimento ou narcotização pelos sentidos é o que chamamos de sono profundo.

Estar desperto é estar consciente de quem somos atrás das máscaras e ir mais além. É a descoberta do sujeito que olhou a colcha de retalhos tecida pela ótica de terceiros, achando que a imagem, disforme e mal desenhada, era a sua.

Atrás da falsa ideia e das máscaras, no lado do avesso, permanece desconhecido o impecável modelo original.

Computador Mental

Imagine, primeiro, o cérebro como um computador. Desde a vida intrauterina, ele vem recebendo uma programação através das impressões que absorve da mãe.

Logo ao nascer, uma imensa quantidade de informações o invade através dos receptores das células nervosas impressões essas, muitas vezes decodificadas de formas diferentes ou distorcidas pela natureza individual.

O computador interno vai sendo programado com boas e más informações, gravadas definitivamente nos neurônios.

A partir da adolescência, com a capacidade de armazenamento esgotada, aumentam os conflitos e através da química cerebral e dos hormônios modificados, nosso computador passa apenas a reagir “impulsivamente” ao exterior, com as impressões recebidas.

As novas informações que adquire, por falta de espaço, vão para um outro compartimento: a memória.

Dentre as informações anteriormente gravadas nos neurônios, grande parte são negativas ou destrutivas, outras resultantes de acontecimentos desagradáveis reais e muitas outras distorcidas pela falta de compreensão de fatos naturais que provocaram e ainda provocam medo.

Esse conjunto de informações, normalmente incorporadas como verdades, é organizado pelo processador mental como uma “fórmula de ajuda” para a realização de nossos desejos.

Em algum momento parece funcionar e pensamos: Aí está! Encontrei a forma correta de me conduzir no mundo para conseguir o que quero!

Acomodados, generalizamos o processo e passamos a usar a mesma fórmula em todos os acontecimentos, sem nunca mais questioná-la.

Alguns percebem pelos resultados negativos, que algo está errado, se dedicam a modificá-la e conseguem um resultado animador.

Outras fórmulas, apesar de modificadas infinitas vezes, produzem sempre o mesmo resultado desanimador. Um pouco mais de atenção nos revelaria que a razão do resultado negativo está nos ingredientes, nas “verdades reunidas”, nos “sistemas de crenças” que produziram a fórmula, e não a sua organização.

O que São as Crenças?

As crenças são a origem de nossas fórmulas de comportamento, daí a necessidade de questioná-las.

Com elas, desenvolvemos vários hábitos de defesa, ou padrões de comportamento, construídos com a finalidade de alcançar nossos objetivos ou interagir com pessoas que nos ameaçam de diversas maneiras sem nunca nos darmos um tempo para corrigi-los.

Desta forma, usando os mesmos padrões de comportamento vamos nos repetindo, cometendo os mesmos erros (ainda que com disfarces diferentes) e vivendo situações negativas, sucessivamente.

Para alguns o sofrimento, a infelicidade, o lamento, são um ‘vício’ (resultado da química orgânica), que pode encontrar excelentes justificativas físicas, familiares, sociais e espirituais.

Outros desejam castigar terceiros com sua dor para que os culpados sofram: é a sede de vingança. Será que vale a pena?

“Somos energia pura! O mundo externo é apenas o reflexo do mundo interno, individual e coletivo”. – Einstein. Mas um véu foi colocado sobre nossos olhos há muito tempo atrás, e ficamos cegos , surdos e mudos.

Anna Sharp

 

Walmei Junior

Walmei Junior

Sou Administrador de Empresa, Pós Graduado em recursos Humanos (MBA). Além de ser Coach, Palestrante, Practitinoer em Programação Neurolinguística, Hipnólogo e apaixonado pela mente humana e auto conhecimento.

Comente o que achou:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

---------------Veja mais---------------